quarta-feira, maio 22, 2024
HomeEquipe BomvalorO que a Black Friday pode ensinar ao mercado de leilões

O que a Black Friday pode ensinar ao mercado de leilões

A não ser que você esteja vivendo em uma bolha – e não estou me referindo ao distanciamento social que a COVID-19 nos impôs nos últimos dois anos –, são enormes as chances de já ter realizado e vir a realizar novas compras na Black Friday, cujo ápice das vendas acontece nesta sexta-feira. Um olhar para um passado não muito distante nos lembra que, quando as redes de varejo começaram a promover essa data aqui no Brasil, não foram muitos os que torceram o nariz e apostavam que a moda não pegaria.

Pois bem, a Black Friday não só pegou, como foi impulsionada pelo crescimento mesmo do comércio eletrônico e se transformou em uma das datas mais importantes do varejo nacional. Segundo a Neotrust, são esperadas vendas de R$ 6,1 bilhões, 18% a mais do que em 2020. Nada mal para uma economia que está patinando e uma inflação acumulado em mais de dois dígitos (10,25%) nos últimos 12 meses.

Mas por que falar de Black Friday e o que isso tem a ver com o mercado de leilões? Temos alguns pontos de convergência aí. O e-commerce se sustenta na cultura de comercialização de produtos pela internet, e o ecossistema de leilões online também utiliza o meio eletrônico para realizar suas transações.

Quando os leilões online surgiram, não foram poucos os que se levantaram para dizer que essa era uma iniciativa que não daria certo. E falo isso por experiência própria, já que estou nesse segmento tempo suficiente para tirar muitas conclusões. Sabemos que inovação quase sempre encontra resistências. Mexer nas estruturas de um negócio como este, no qual comprador, leiloeiro e vendedor estão acostumados, gera desconfiança principalmente pela falta do olho-no-olho que os leilões presenciais proporcionam.

Os visionários foram buscar na tecnologia respostas para essas inquietações. Nós, da Bom Valor, optamos por investir em algo inédito no setor de leilões online e adotamos a blockchain como pilar das operações que são realizadas dentro do nosso ecossistema, como forma de prover um ambiente de negociações e transações mais seguro, autêntico, neutro, confiável e acessível.

No caso do e-commerce, o caminho que ele teve de percorrer para convencer o consumidor de que o ambiente da internet era seguro foi longo, e não sem percalços – o que não significa que todos os problemas foram resolvidos.

Ataques de phishing que acontecem por meio de mensagens com ofertas inautênticas, mas tentadores, buscam atrair os desavisados com o objetivo de roubar seus dados pessoais; sites falsos; ou mesmo aquelas empresas que aumentam o preço do produto às vésperas da promoção ainda representam ameaças reais, mas já não assustam tanto como antes. Isso porque as empresas de comércio eletrônico, em conjunto com as instituições de pagamento e de crédito, investiram pesado em tecnologia para minimizar os riscos, e realizam campanhas educativas com objetivo proporcionar tranquilidade a quem está comprando.

No caso do ecossistema da Bom Valor, já partimos com uma larga vantagem em relação aos problemas de segurança, por contarmos com a tecnologia de blockchain, que permeia todos os serviços que oferecemos. E a jornada começa pela identidade digital de cada ente que faz parte da cadeia de valor do leilão online.

Por meio da Conta Comprova – e em total conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) –, compradores, vendedores, leiloeiros, casas de leiloeiras, corretores, vistoriadores, avaliadores e administradores judiciais podem gerenciar suas informações, atividades, preferências e repositórios de arquivos, utilizando, para isso, um sistema de assinatura eletrônica já aceita e utilizada inclusive em tribunais. como o mais novo probatório jurídico de veracidade em registros de contratos, documentos, autos positivos, negativos e de arrematação.

Fomos pioneiros na utilização de blockchain no mercado de leilões na América Latina. Nosso objetivo sempre foi o de empoderar os usuários da nossa plataforma ao permitir que eles sejam certificados e autenticados com segurança jurídica, e possam se conectar com todas as plataformas digitais de rede Bom Valor – ou de terceiros –, para garantir acesso sempre por autenticidade, certificando ambientes contra fraudes, registros de check-in e check-out, habilitações em leilões, lances autenticados, assinaturas de contrato de arrematação além de outros serviços e produtos digitais

Mais uma vez aqui, o desafio é também cultural, o de popularizar o conceito da blockchain como a nova fronteira da internet, que poderá tornar muito mais seguras as transações feitas pela web, e conferir a datas como a Black Friday a certeza de que as fraudes perderam protagonismo. Estou aqui trabalhando para que esse futuro, que me diz bom dia durante todos os dias, chegue logo.

Posts relacionados

Mais lidos

Comentários recentes